1

Artigo - Choque de realidade

Anselmo Carvalho, Diretor de Divulgação e Promoção Sindiprom/SP e Diretor da Consultoria Exposolutions

Tenho lido bastante sobre o impacto da crise econômica nos mercados e nas empresas. Muita notícia triste porque nessas horas parece que tudo que se fez de bom durante anos numa empresa não vale absolutamente nada. Ao final das contas, há menos clientes querendo comprar e, claro, querendo pagar o mínimo possível por um produto ou serviço.

Mas também existem histórias positivas, e não são poucas. Empresas que mantiveram quadros e estoques enxutos, investiram em programas de baixo custo, se modernizaram e também aquelas que observaram lacunas de mercado que estão sendo preenchidas por causa da crise, hoje estão vivendo seus melhores momentos. Pode parecer surreal mas essa classe de empresas não passou alheia ao colapso econômico, mas enxergou ele de forma estratégica.  Planejou seu negócio para ser bom durante a crise.

Nossa indústria passa pela segunda crise profunda em menos de uma década, mas nunca diante de um cenário tão claro: extrema oferta de trabalho e pouca demanda. Ainda, para acirrar o desequilíbrio, a demanda existente há tempos não está mais disposta a investir com a fartura que os gestores de marketing outrora o fizeram.

O momento então é para refletir sobre como aproveitar as oportunidades de fidelizar clientes com baixo custo e oferta de qualidade. Simples e eficiente.

Seja para organizadores, pavilhões, empresas de montagem e fornecedores de serviços, a ordem é colocar em prática a reutilização de materiais, a otimização de recursos e a adoção de práticas sustentáveis e de baixo custo a serviço dos clientes. Só assim conseguiremos minimizar o choque de 2016 e conseguir alinhar o curso para 2017, que também não será fácil.

Ao nosso lado estão as inúmeras chances de fusão de conhecimento e recursos, depositados nos corredores das empresas nas últimas décadas douradas. Também poderemos contar com a experiência de uma cadeia produtiva que, diante de inúmeras adversidades impostas, esteja disposta a rever modelos e práticas que podem se tornar conceitos de um novo sistema expositor. Mais objetivo, sustentável e promissor.

Estoques compartilhados, armazenamento de ativos, terceirização de processos, entre outras, são apenas algumas ideias que devem ser colocadas à luz nos projetos com parceiros e fornecedores. Diante da dúvida de que nossas futuras operações serão rentáveis, a única certeza que temos é de que a cooperação entre as empresas do nosso setor é um caminho sem volta. Talvez o único. Porque experiência e baixo custo é o atrativo mais requisitado nos tempos atuais.