Francal 2017 confirma expectativa de crescimento nas vendas de calçados e acessórios no segundo semestre

Encerrada no dia 5 de julho, Feira do Verão Brasileiro recebeu um grande número de lojistas e compradores internacionais, que vieram fazer negócios com os expositores e abastecer seus pontos de venda para a temporada quente que se aproxima

Francal, Feira do Verão Brasileiro, teve sua 49ª edição encerrada nesta quarta-feira, 5 de julho, no Expo Center Norte, em São Paulo. O evento apresentou ao mercado as coleções de calçados e acessórios para a primavera-verão de 1.500 marcas nacionais, temporada que representa em torno de 70% dos negócios anuais do setor.

A feira recebeu 33.800 visitantes profissionais de todos os Estados brasileiros e do Distrito Federal; entre eles, 13.600 lojistas – ou seja, 40% do total. A forte presença desse público focado na realização de negócios com as empresas expositoras comprova a tendência de profissionalização do mercado. Do total de lojistas, 600 vieram de 17 cidades do interior de São Paulo e de Minas Gerais por meio das caravanas subsidiadas pela feira e organizadas em parceria com associações comerciais e câmaras de dirigentes lojistas.

Para Abdala Jamil Abdala, presidente da Francal, tudo indica que a feira atendeu à expectativa de dar continuidade à recuperação das vendas no mercado interno e externo iniciadas neste ano. "O retorno que tivemos dos expositores foi bastante positivo, com vendas efetivas e futuras, inclusive para clientes internacionais”. (confira depoimentos dos expositores abaixo).

Segundo ele, a indústria e o varejo de calçados são um exemplo de setor que está sabendo aproveitar as oportunidades oferecidas pela melhora do cenário econômico, e a Francal cumpriu seu dever de atender às necessidades do mercado. "A feira apresentou o melhor da produção nacional em calçados e acessórios para a primavera-verão e impulsionou os negócios do segundo semestre".

O presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein, destaca que a feira cumpriu a função de dar um start para a temporada de vendas mais importante, em termos de volume, para a indústria nacional.

"A primavera-verão responde por quase 70% do total de vendas brasileiras de calçados. Neste contexto, a Francal sempre é um termômetro importante do comportamento do mercado e nesta edição não foi diferente. Empresas que conseguiram segurar custos e manter o preço, apostando em produtos inovadores, tiveram bons resultados, outras nem tanto. O segmento, apesar de iniciar uma recuperação gradual, ainda está muito inseguro quanto aos rumos da economia, que historicamente é abalada pelas turbulências políticas”, comenta o dirigente.

Segundo Klein, de uma maneira geral, a indústria de calçados, se comparada com a indústria de transformação, é a que menos vem sentindo os efeitos da crise, tendo registrado incremento nas vendas internas e externas nos primeiros meses do ano. Entre janeiro e abril de 2017, as vendas no varejo aumentaram 6,3% no comparativo com igual período do ano passado, enquanto as exportações aumentaram 20% em receitas entre janeiro e maio no mesmo comparativo. "Existe sim uma retomada gradual, mas os calçadistas precisam entender que a sustentabilidade desse processo depende também do comportamento da indústria, que deve apostar em produtos diferenciados e que atraiam o consumidor para um novo modelo de consumo”, acrescenta.

Na avaliação da Associação Brasileira de Lojistas de Artefatos e Calçados (Ablac), na feira os lojistas tiveram a oportunidade de conhecer os lançamentos dos fabricantes de calçados e acessórios para a primavera-verão e realizar negócios com eles. "Temos uma expectativa de retomada do consumo de calçados nos próximos meses, por isso as compras durante a feira foram para atender à demanda projetada”, afirma Marcone Tavares, presidente da entidade. Ele destaca o caráter inovador e o design dos produtos apresentados pelas indústrias na Francal.

A Francal foi também palco de diversas atividades importantes para a Ablac. A entidade apresentou oficialmente o aplicativo Treinalojas, destinado ao treinamento de vendedores, que começa a ser utilizado por redes de lojas associados em julho. Além disso, reuniu sua diretoria executiva para análise dos projetos realizados ao longo do primeiro semestre, com destaque aos esforços para aprovação da reforma trabalhista em Brasília, onde o presidente Marcone Tavares esteve pessoalmente por três vezes, em contato com parlamentares.


Importadores
Mais de 900 importadores de 54 países compareceram à feira para fazer negócios com os fabricantes brasileiros. Destes, 58 foram convidados pela Francal, em especial de países árabes e da América Latina. A ampliação no número de países em relação aos 45 representados no ano passado são resultado da do extenso trabalho de divulgação internacional da feira e do calçado brasileiro realizado pela Francal no mercado externo ao longo de todo o ano.

Para Abdala, o calçado brasileiro tem o "DNA da exportação”, pois mesmo em momentos em que a variação cambial se mostrou desfavorável, o setor não deixou de exportar. O aumento registrado nas vendas para o mercado externo nos primeiros cinco meses do ano, segundo ele, comprova que o Brasil está retomando seu lugar no mercado externo. "A visibilidade da Francal no mundo todo atraiu compradores de mais mercados, muitos deles estratégicos, e trouxe resultados positivos para os expositores. Tão importante quanto os negócios realizados aqui é o start que a feira deu para oportunidades ainda maiores e duráveis”, projeta.


Desfiles
Alguns dos momentos mais badalados da Francal 2017 foram os cinco desfiles realizados nos dias 3, 4 e 5 de julho. A cada apresentação, a Arena Verão Francal ficou lotada de expositores e visitantes interessados não só em conhecer as tendências da temporada nas linhas feminina, masculina e infantil, mas também na suntuosa produção.

Na passarela, modelos desfilaram produtos icônicos das marcas expositoras, com curadoria da equipe de estilo da revista VOGUE. O desfile de estreia, no dia 3, foi seguido de um painel da revista, em que diretora de redação, Silvia Rogar, a diretora de estilo, Donata Meirelles, e stylists da publicação comentam as escolhas e detalharam os novos desejos de consumo para o verão brasileiro em 2018.


Conteúdo
Nesta edição, a FRANCAL manteve uma programação voltada à oferta de conteúdo profissional a visitantes, expositores e todos aqueles que criam, estudam, produzem e comercializam calçados e acessórios. Esse conhecimento foi transmitido por especialistas e influenciadores em eventos como o Fórum Francal, com a palestra do designer e consultor de moda Walter Rodrigues, e nos palcos Girassol e Tulipa, onde se deram as palestras rápidas do Francal Talks. Logo na abertura, um painel discutiu "O Brasil que vai dar certo”, enquanto nos demais os desfiles apresentam produtos icônicos das marcas expositoras.

Na avaliação da gerente de Negócios da Francal, Malu Fiorese, o conteúdo oferecido valorizou os produtos apresentados pelos expositores, dando aos visitantes o conhecimento dos conceitos que nortearam o desenvolvimento das coleções primavera-verão das marcas. "Essa é a razão pela qual as palestras e demais eventos fazem parte da programação da Francal: abastecer os lojistas com informações sobre moda e as mais modernas técnicas do varejo para que eles possam incrementar e qualificar suas vendas”.


Francal 50 anos
A próxima edição da Francal está confirmada para 16 a 18 de julho de 2018, quando a Feira do Verão Brasileiro vai completar 50 anos. Abdala promete novidades que vão surpreender o mercado e comemorar a relevância de uma das mais longevas feiras do setor no mundo.


Palavra do expositor
"A Werner exporta para 45 países. O retorno de negociação referente à exportação foi melhor, e fizemos novos contatos no mercado interno também."
Kurt Soto Krummenauer, departamento Comercial da Werner


"Houve uma mudança de local que influenciou no movimento da feira. A participação valeu a pena, o estande foi bem visitado e fizemos bons contatos."
Fernando Navarro, supervisor de Vendas da Classe Couro


"A feira foi boa, fizemos novos contatos e fechamos negócios de exportação."
Fernando Goulart Gilberti, diretor da Orcade


"A feira foi positiva, fizemos novos contatos e o nosso estande teve um movimento bom desde o primeiro dia."
Paulo Salmasi, gerente de Vendas da Dolccini


"Estamos muito felizes, trabalhamos muito desde o primeiro dia de feira. O crescimento foi de 20% em relação ao ano passado. Ampliamos nossos pontos de venda, e a relação de novos mercados de exportação também foi de 20%."
Luciana Robinson, diretora Comercial da Jorge Bischoff


"Fizemos boas vendas e concretizamos novos negócios no mercado interno e externo."
Ana Paula Martins, gerente de Marketing da Luiza Barcelos


"Conseguimos atender nossos principais clientes da América Latina como manutenção de mercado e fazer prospecções de novos clientes. Cada marca é responsável por 50% da visitação no estande. Buscamos colocar os visitantes no clima do que será a próxima estação, simulando uma casa de praia no espaço da Boa Onda e uma temática cubana para a Cherry."
Perla Medeiros e Cássio Romani, gestores das marcas Boa Onda e Cherry


"A feira atendeu nossas expectativas, foi oportuna para fazermos negócios e prospectar clientes. Recebemos boa visitação e tivemos excelente aceitação da coleção apresentada."
Rodrigo Mitysuo, gerente de Marketing da Bull Terrier


"É nossa segunda vez na feira, e é sempre positiva. Os visitantes ficaram impressionados com a qualidade da marca. É importante participarmos pela visibilidade que dá à Jeep e acessibilidade dos clientes. Consolidamos negócios pendentes iniciados na Francal da edição anterior e recebemos a visitação de países como Equador, Peru, Bolívia e Colômbia."
Raul Aceves, diretor Geral da Jeep


"Participamos pela primeira vez da Francal e foi muito positiva. Abrimos muitos clientes novos e fizemos várias prospecções com foco em exportação. É uma feira que gera negócios."
Cristiane Juliani, gerente de Vendas da Camila Klein


"A Isla é uma marca muito reconhecida e divulgada por redes sociais. Participar da feira foi positivo, pois as pessoas tiveram a oportunidade de visitar nosso estande. Expandimos contatos nacionais e internacionais. Houve uma grande variedade de visitantes do Brasil no geral."
Bruno Saldanha, diretor de Moda da Isla Bolsas


"A mudança para o Expo Center Norte foi positiva, a organização e a infraestrutura ficaram muito melhores. Fizemos prospecção de clientes paulistas e mantivemos contatos no contato interno com quem já trabalhamos."
Marcelo Bohmef, gerente de Marketing da Cecconello


"A feira foi muito positiva. Fechamos novos negócios com pelo menos quinze contatos por exportação. Nosso estande foi bem visitado, fizemos contatos com clientes internos que não conhecíamos e fechamos muitos pedidos."
André Coutinho dos Reis, gerente Comercial da Akazzo


"Tivemos visitação boa e constante. O resultado foi muito bom, vendemos 30% a mais em relação ao ano passado. Participar da feira deu grande visibilidade à marca e oportunidade de atender muitas pessoas. Nesta edição, estamos lançando uma linha de bolsas que veio enriquecer nosso catálogo de produtos."
Felipe Fonte, gerente Comercial da Giulia Domna


"A marca tem três meses e esta foi a nossa primeira feira. Superou nossas expectativas, estreitamos a relação e fizemos novos contatos com o Brasil inteiro. Conseguimos vender para mercados que estávamos buscando, como Brasília, Campo Grande, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Tivemos uma resposta muito positiva da nova coleção."
Juliana Duarte , presidente da Pesh

"Participamos pela primeira vez da Francal e viemos com boa expectativa. Estabelecemos uma meta em volume de vendas que foi alcançada. Tivemos resultado fantástico, que ajudou a vender o estipulado para o mês de setembro."
José Osterno Filho, diretor Comercial da Di Valentini 


"Fazendo uma análise geral, atingimos nossa expectativa. O pavilhão atual tem uma infraestrutura melhor. Houve uma variedade de visitantes do Brasil todo."
Eduardo Santos, diretor da Usaflex


"O público que visitou a feira foi muito bem direcionado. Nós estreitamos parcerias para o desenvolvimento de novos produtos."
Aurora Xu, diretora Comercial da Semax


"A participação na feira foi positiva, atendeu às expectativas e conseguimos atingir nosso público alvo: empresas de médio e pequeno porte. Fechamos negócios e prospectamos novos clientes para dar continuidade no segundo semestre. Estamos satisfeitos com o resultado."
Paulo Henrique Geminiano, gerente Comercial da Cotton & Co


"A participação foi boa. Focamos em exportação e fizemos muitos contatos novos. Recebemos uma média de 15 importadores de países como Bolívia, Chile, Costa Rica e República Dominicana, e estamos para fechar diversos negócios."
José Paulo, sócio-dretor da Comfort Plus


"A participação foi positiva, atendeu nossas expectativas. Fizemos bastante contato com clientes e representantes em áreas em que a empresa ainda não atuava, fechamos negócios e fizemos diversas prospecções."
Vinicius Balatore Barbosa, Comercial, da Balatore