1

Quer discutir a sua cadeia produtiva?

Por Jorge Alves de Souza, Presidente do Sindiprom-SP e Vice-Presidente da Ubrafe – União Brasileira dos Promotores de Feiras

Qual é o momento ideal para debater os destinos de uma cadeia produtiva? Nas horas difíceis ou nas horas de bonança.

No momento em que temos o melhor time do mundo, o melhor jogador, somos o país com mais perspectiva no cenário internacional, passamos a minimizar erros cometidos. Nosso governo passou a abusar de tudo isso. O cenário era bom, mas abusou da economia e passou a distribuir benesses aos campeões nacionais, comprometendo o patrimônio público e as suas contas. Levando o país à perda da confiança no mercado internacional.

Instalou-se no Brasil a crise mais devastadora, que é a falta de confiança, atingindo empresas e a sua população. Essa desconfiança nos atos do Governo e dos políticos é o caminho para o caos, porque a corrupção é como o câncer, precisa ser combatida com rigor na hora certa.

Nos últimos anos passamos por grandes transformações, mudamos o foco para os custos, deixando de lado a preocupação com a geração de valor em nosso setor; este fato gerou um turnover sem precedentes em todos os setores econômicos.

Nosso cliente também passou a administrar os custos de maneira técnica e financeira, porque os concorrentes estavam avançando sobre o seu negócio. Poucos conseguiram trabalhar focados em valor. Valor este que deixou de ser percebido como diferencial competitivo.

Grandes fabricantes dos mais diversos produtos se concentraram na marca e passaram a importar as suas mercadorias, com custos muito mais competitivos. O custo Brasil levou-os a buscar alternativas de sobrevivência, ou de um ganho mais significativo.

Precisamos discutir sim os nossos caminhos, não vejo outro momento mais oportuno para sentar à mesma mesa: pavilhões, promotores de feiras, entidades setoriais, arquitetura promocional (montadoras de estandes), infraestrutura, serviços, hotelaria e os seus agentes, pois é desta forma que encontraremos caminhos e novas oportunidades, modernizando a nossa cadeia de negócio...

Precisamos ter em mente, como bem pontuou Sam Walton, fundador do Walmart, que ao final do dia precisamos chegar com cliente.

José Ricardo Noronha, em seus treinamentos, coloca sempre a importância do cliente, por isso é importante em qualquer reunião das equipes, colocar sempre a “cadeira do cliente” num lugar de destaque, para não perdermos a noção do nosso foco no cliente, pois é ele quem viabiliza o nosso negócio.

Fica aí o desafio: pegue esta bandeira e coloque-a no Everest do Setor.